⚽ O Milagre de Berna (Das Wunder von Bern) ⚽




O filme conta a trajetória do título de uma arrasada Alemanha Ocidental pós-guerra na Copa do Mundo de 1954, usando como referência a família Lubanski, da cidade de Essen. O pai, Richard, é um ex-prisioneiro de guerra que está para retornar ao lar após 11 anos em prisão soviética. Sua família (esposa, Christa, e três filhos) sobrevivem mantendo um bar.

Matthias, o mais novo dos filhos, jamais viu o pai, por ter nascido quando Richard já estava no front. Este, por sua vez, não sabe de sua existência, pois nunca recebeu as cartas da família. O garoto idolatra o jogador Helmut Rahn, de quem se torna "escudeiro". Rahn é atacante e maior estrela do clube da cidade, o Rot-Weiss Essen, mas não se firma na Seleção Alemã-Ocidental, e considera Matthias um amuleto: só ganha os jogos decisivos na presença deste na torcida.

Richard finalmente volta, mas tem dificuldades em relacionar-se com a família, ao querer impor sua rígida disciplina na casa. Mostra-se amargurado com os filhos: o mais velho, o rebelde Bruno, é guitarrista de bandas e simpatizante do comunismo; a do meio, Ingrid, flerta com soldados estadunidenses; e Matthias dá exagerada importância ao futebol, além de idolatar Rahn como a um pai. O rigor de Richard faz Bruno tomar a drástica decisão de fugir de casa rumo a Berlim Oriental, capital da comunista Alemanha Oriental.

Paralelamente, a Seleção Alemã-Ocidental joga na Copa do Mundo da Suíça, mas não convence os jornalistas, que não poupam críticas ao técnico Sepp Herberger, principalmente após a vexatória goleada de 8 x 3 sofrida contra os húngaros, na primeira fase. Herberger preferiu pôr os reservas em campo em jogo que sabia que provavelmente perderia para poupar os titulares para o jogo decisivo, contra a Turquia. O técnico também prefere não escalar Rahn, mesmo contra a Hungria. Os alemães classificam-se para enfrentar a Iugoslávia, tida como favorita. Mesmo vencendo por 2 x 0 na estreia de Rahn no torneio (com gol marcado por ele), a equipe de Herberger continua atraindo descofiança da imprensa, que prefere enaltecer o azar do adversário, que marcou um gol contra.

Após a fuga de Bruno, Richard prefere amolecer seu tratamento com os filhos. Ele, que jogava futebol, passa a incentivar Matthias, aconselhando-o a jogar como zagueiro quando brinca com os amigos após observá-lo, já tendo lhe dado uma bola de presente. Nas semifinais, a Alemanha novamente surpreende ao golear por 6 x 1 a mais equilibrada Áustria, e passa à final, onde novamente encararia a Hungria. Richard faz uma surpresa a Matthias: convida-o a ir de carro com ele até Berna, onde realizar-se-ia a final, para assistir ao jogo, sabendo da superstição que ele e Rahn tinham entre si.

Os jogadores da Alemanha, no dia da final, acordam com um bom pressentimento, pois chove forte em Berna, o tempo favorito do capitão Fritz Walter, que não jogava tão bem no calor por ter contraído malária quando jovem. Os alemães, que tinham chuteiras com travas especialmente para a situação, fornecidas pessoalmente por Adi Dassler (Adolf Dassler, o criador da Adidas), também contavam com que a chuva tornasse os húngaros mais lentos. A Hungria, entretanto, faz dois gols em menos de dez minutos, com Ferenc Puskás, que voltava de lesão, e Zoltán Czibor.

A Alemanha Ocidental não se abate: Horst Eckel cumpre a ordem de Herberger de anular Nándor Hidegkuti, tido como o maior organizador das jogadas húngaras. Em dez minutos, empatam o jogo em contra-ataques, com Max Morlock e Rahn. Os húngaros, que vinham de uma dura vitória na prorrogação contra o Uruguai, diminuem o ritmo e se poupam para nova prorrogação. Matthias e Richard chegam a Berna no decorrer do segundo tempo. O garoto entra no estádio já nos últimos dez minutos de jogo, quando a bola está parada, e olha para Rahn. Ao perceber sua presença, o atacante faz jogada individual após a bola sobrar-lhe e marca o gol da virada. Os magiares pressionam nos minutos restantes, e o goleiro Toni Turek faz grande defesa em chute de Czibor, para o êxtase do narrador Herbert Zimmermann ("Toni, você é um Deus do futebol!"). O resultado não se altera e os alemães-ocidentais vencem, para o delírio do país.




O MILAGRE DE BERNA. Disponível em: Das Wunder von Bern – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org). Acesso em: 27 jul 2023.





Final

Estádio Wankdorf em Berna recebeu 60 mil pessoas que se espremeram para acompanhar a partida final entre Alemanha Ocidental e Hungria, uma repetição do jogo da primeira fase. Nesta fase, a Hungria venceu os reservas alemães por 8 a 3. O Time Dourado dos húngaros era o favorito, pois vinha de 32 partidas invicto, porém vinha de duas partidas duras. Começou a chover no dia do jogo - na Alemanha isso é chamado de "Fritz-Walter-Wetter" (tempo de Fritz Walter) pois dizia-se o capitão da equipe alemã Fritz Walter jogava seu melhor futebol na chuva, porque havia contraído malária quando jovem e por isso não atuava tão bem no calor. Adi Dassler, proprietário da Adidas e fornecedor de material esportivo para a seleção alemã, forneceu chuteiras com cravos intercambiáveis, que melhor se adaptariam ao campo molhado.

Na final se viu Ferenc Puskás atuando mesmo não estando em sua melhor forma. Ainda assim ele colocou seu time à frente do placar em apenas 6 minutos de jogo, e com Zoltán Czibor fazendo outro tento dois minutos depois parecia que os favoritos realmente levariam o título. Porém, com um rápido gol de Max Morlock no décimo minuto, e Helmut Rahn empatando aos 19, a maré começou a virar.

No segundo tempo a Hungria desperdiçou diversas chances. Mas, nervosos não conseguiram nada. Os alemães praticamente "cozinharam" o jogo a seu favor, e acabariam premiados. A meros seis minutos do final da partida, o popular narrador do rádio alemão Herbert Zimmermann fez sua mais memorável declaração ao dizer: "Rahn deveria chutar do meio da rua" (em alemão: "aus dem Hintergrund müsste Rahn schießen"), e assim foi. O segundo gol de Rahn, que chutou da meia-lua da área, após a zaga húngara afastar mal a bola, deu a liderança da partida aos alemães. Depois, Puskás ainda fez um gol impedido.

Aos alemães foi entregue a Taça Jules Rimet e o título de vencedores da Copa do Mundo com a torcida cantando junto o hino nacional alemão. Na Alemanha, esta partida é conhecida como o Milagre de Berna. Um filme baseado na história foi lançado em 2003. Para os húngaros, a derrota foi um desastre, e o seu declínio no futebol teria início somente dois anos depois, com a Revolução Húngara.

Os 11 gols marcados por Kocsis não apenas o garantiram a artilharia desta Copa, mas o tornou o recordista como artilheiro em uma Copa, superando Ademir de Menezes que havia marcado 9 tentos na copa anterior. A marca de Kocsis viria a ser quebrada na Copa seguinte por Just Fontaine e seus 13 gols.

Postar um comentário

0 Comentários