Série Perguntas Bíblicas | 3. Qual dos nomes de Deus Moisés deveria dar aos israelitas, quando falasse de quem tinha lhe enviado?

 




3. Qual dos nomes de Deus Moisés deveria dar aos israelitas, quando falasse de quem tinha lhe enviado?

A) "Elohim"
B) "El Shadday"
C) "Eu sou o que sou"
D) "Eu sou o Senhor"

Letra C - "Eu sou o que Sou" foi a resposta dada por Deus a Moisés, quando perguntou sobre o Seu nome. Cf. Êxodo 3:13-14.






EU SOU O QUE SOU

Um dos eventos mais significativos na vida do povo do Senhor na história redentiva é o êxodo. Entretanto, por mais importante que o êxodo seja, é ainda mais importante para nós ver que, em Êxodo 3, Deus revela a magnificência majestosa do caráter dele. É uma magnificência que contém duas verdades gloriosas, indissociavelmente ligadas, sem as quais o Deus cristão não poderia ser entendido ou adorado. Por mais importante que a salvação de Israel do Egito seja, ela não poderia ser devidamente entendida a menos que seja enquadrada dentro da revelação do caráter duplo de Deus, conforme expresso pela própria declaração de Deus e conforme revelado na sarça ardente.

Enquanto Deus vem a Moisés, ele anuncia a si mesmo como “o Deus de teu pai, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó” (Êxodo 3.6). Aqui, Deus identifica a si mesmo como o Deus da aliança, aquele que soberanamente iniciou um relacionamento com o povo dele. A primeira coisa que Deus quer que Moisés reconheça é que ele é um Deus que está com o povo dele (v. 12), que o livrará do Egito (v. 8) e que o redimiu para o propósito de adorar somente a ele (v. 12). Deus está realizando o propósito da aliança dele com Israel através de Moisés. Moisés reconhece o ônus único deste chamado de Deus. Então, ele hesita. Ele procura por uma saída. Ele primeiro aponta para sua própria insuficiência (“Quem sou eu?”; v. 11), e Deus aponta para a total suficiência dele (“Eu serei contigo”; v. 12).

Mas aí Moisés pergunta algo que poderia, à primeira vista, parecer estranho. Ele quer saber o nome de Deus. A razão pela qual ele pergunta pelo nome de Deus é porque, como vemos no Antigo Testamento, o nome de alguém frequentemente designa o caráter da pessoa. Moisés está pedindo a Deus por uma revelação do caráter dele para que Israel pudesse saber que aquele que chamou Moisés é suficiente. Ele é capaz de realizar o livramento prometido.

O nome que Deus dá a Moisés – “EU SOU O QUE SOU” – é uma revelação da total e completa suficiência de Deus em si mesmo. É uma revelação da asseidade de Deus. Somente ele é dele mesmo (a se). Deus, e somente Deus, não depende de nada. E isso significa, para Moisés e para Israel, que Deus não é dependente da cooperação de Faraó para realizar o que ele prometeu.

Esse nome de Deus – “Eu Sou” – é a forma raiz do nome Yahweh. João Calvino corretamente diz que esse nome nos é dado no Antigo Testamento “para que nossas mentes possam ser repletas de admiração conforme a essência incompreensível de Deus é mencionada”. Tal “essência incompreensível”, dada no nome Yahweh, é mencionada mais de 5 mil vezes no Antigo Testamento. Em Êxodo 3, portanto, Deus identifica a si mesmo de duas maneiras. Ele diz a Moisés que é o Deus da aliança, que está com o povo dele, e que ele é o Deus que existe em si mesmo, o qual não precisa de nada a fim de ser quem é e de fazer o que ele planeja fazer.

Isso nos leva à sarça ardente. O propósito daquele milagre não era simplesmente para que Moisés pudesse ficar maravilhado; era para exibir o caráter duplo de Deus, que ele mesmo havia anunciado a Moisés. A sarça ardente ilustra o que os teólogos chamam de transcendência imanência de Deus. A revelação da sarça ardente era uma revelação que o “Eu Sou” é e sempre será totalmente independente e suficiente em si mesmo. Ele é total e completamente Deus mesmo quando promete e planeja “descer” (Êxodo 3.8) para estar com o povo dele e para redimi-lo. A sarça ardente nos aponta para aquela revelação culminante daquele que é total e completamente o Deus que existe em si mesmo. Ela nos aponta para o próprio Jesus Cristo (Mateus 1.23; 28.20). A revelação do caráter duplo de Deus em Êxodo 3 é essencial para a compreensão de todos que procuram se engajar na tarefa bíblica da apologética. Nenhuma outra religião na face da terra reconhece esse tipo de Deus. A fé que nós defendemos é totalmente única. Ela começa e termina com a revelação deste mistério majestoso do caráter de Deus dado a nós na Escritura Sagrada.

 

 

 

 

 

 

Por: K. Scott Oliphint. © 2016 Ligonier. Original: GOD

Este artigo faz parte da edição de Janeiro de 2016 da revista Tabletalk.

Tradução: João Pedro Cavani. Revisão: Yago Martins. © 2016 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Original: EU SOU O QUE SOU

Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor, seu ministério e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.


Postar um comentário

0 Comentários

Postagem em destaque

Parte 3 - Ocorrência envolvendo operadores de Segurança Pública