SÉRIE MITOLOGIA | RINHA | Beemote (Jó 40:15-24), a besta lendária que aparece na Bíblia



A batalha entre Beemote e Leviatã, segundo a tradição judaica ortodoxa, seria um confronto apocalíptico com implicações profundas para o destino do mundo.

Beemote:

  • Força Inigualável: Descrito como um gigante terrestre de força inimaginável, capaz de esmagar seus oponentes com facilidade.
  • Pele Impenetrável: Sua pele coberta por escamas impenetráveis resiste a qualquer ataque, tornando-o um adversário formidável.
  • Simbolismo: Representa a força bruta, a resistência inabalável e a terra em sua forma mais poderosa.

Leviatã:

  • Poder Descomunal: Uma criatura marinha colossal com domínio sobre o mar, capaz de agitar as ondas com violência e desafiar até mesmo Deus.
  • Tamanho Indefinido: Dimensões não explicitamente definidas, mas frequentemente descrito como uma serpente marinha gigante ou um dragão com múltiplas cabeças.
  • Simbolismo: Representa o caos, a destruição e as forças incontroláveis da natureza em seu estado mais puro.

Cenário da Batalha:

  • Localização Indefinida: A batalha pode acontecer em terra firme, no mar ou em um plano transcendental, dependendo da interpretação.
  • Condições Climáticas Apocalípticas: Tempestades furiosas, raios, trovões e tremores de terra intensificam o poder destrutivo da batalha.

Desenvolvimento da Batalha:

  • Beemote investe contra Leviatã com seus chifres e cascos poderosos, buscando perfurar sua pele e infligir dano.
  • Leviatã usa seus tentáculos colossais para esmagar Beemote, enquanto tenta afogá-lo em ondas gigantes.
  • A terra treme e o mar se agita com a força dos golpes, enquanto os dois monstros lutam ferozmente.

Possíveis resultados:

  • Empate Provável: A batalha se prolonga por dias, com ambas as criaturas sofrendo grandes danos, mas sem um vencedor definitivo.
  • Vitória de Beemote: Sua força bruta e resistência podem superar a capacidade de Leviatã, levando-o à vitória.
  • Vitória de Leviatã: Seu poder descomunal e domínio sobre o mar podem ser decisivos, culminando na morte de Beemote.

Interpretações:

  • Vitória de Deus: A batalha pode ser vista como uma demonstração do poder supremo de Deus, que no final intervém para derrotar ambas as criaturas.
  • Equilíbrio entre Bem e Mal: A batalha pode ser interpretada como a eterna luta entre o bem e o mal, com nenhum dos lados obtendo uma vitória definitiva.
  • Simbolismo: A batalha pode ser vista como um símbolo das forças da natureza e da eterna luta entre ordem e caos.

Observações:

  • Esta é uma análise hipotética, baseada nas características lendárias das criaturas.
  • Não existe um consenso definitivo sobre quem venceria em um combate real.
  • A batalha entre Beemote e Leviatã é um tema rico em interpretações, alimentando a imaginação e inspirando diversas obras de arte e literatura ao longo da história.

Conclusão:

A batalha entre Beemote e Leviatã é um evento épico que transcende a mera luta física, representando a eterna luta entre as forças do bem e do mal, da ordem e do caos, da natureza e da vontade divina. O resultado final da batalha, se é que existe um, permanece um mistério, convidando à reflexão sobre o poder, a fé e o destino do mundo.




Leviatã
favoritos

Leviatã, Leviatão ou Leviathan deriva do hebraico "liwyatan" e é o nome de um mostro marinho cuja origem remonta à mitologia fenícia. Aparece também mencionado na Bíblia como um ser que causa catástrofes e possui várias formas: pode ser dotado de muitas cabeças (conforme um selo encontrado em Tell Asmar, que o apresenta com sete cabeças), similar a um crocodilo (outro significado da palavra "liwyatan" que aparece na Bíblia), a uma baleia ou a uma serpente. Estas formas são mencionadas pelos Evangelhos apócrifos, que inserem o Leviatã entre os cetáceos criados por Deus no quinto dia do processo criativo. De acordo com as mesmas obras apócrifas, a única razão para o Leviatã ser mantido com vida era a de que serviria de alimento aos bem-aventurados. Segundo a tradição, o Leviatã vivia nas profundezas do mar, e foi, como consequência, ligado à conceção de inferno vivo. Esta associação encontra-se, por exemplo, presente no chamado Evangelho de Bartolomeu (apócrifo). Como representação do Mal, aparece frequentemente como um dragão dotado de muitas cabeças criado por Deus para demonstrar o Seu poder supremo, que tudo cria e tudo vence, e acaba por ser derrotado por Javé (Salmos), depois do Leviatã se revoltar contra Ele juntamente com o mar – que é considerado o seu meio ambiente, conforme o que acima foi dito. Os anjos que se revoltaram contra Deus foram também engolidos por Leviatã, segundo reza a tradição da Ars Moriendi. A conotação maléfica, de presságios funestos, e a configuração de serpente marítima (ou dragão do mar) escorregadia e enrolada sobre si mesma que se evidenciam na Bíblia encontravam-se já nos escritos de Ugarit, referentes à mitologia fenícia, e neles se conta que o Leviatã combateu o deus Mot, senhor da morte e das secas, acabando por perecer sob a espada de um servo do deus Baal.


Porque Deus criou o beemote?
Segundo a tradição judaica ortodoxa, a missão do Beemote é esperar pelo dia em que Deus lhe pedirá para matar o Leviatã, uma criatura marinha tida por alguns como parecida com uma baleia.




Postar um comentário

0 Comentários

Postagem em destaque

Parte 3 - Ocorrência envolvendo operadores de Segurança Pública