SÉRIE MITOLOGIA | Górgonas - As Deslumbrantes Criaturas da Mitologia Grega




Górgona  

 
 
Górgona

Medusa, obra de BerniniMuseus CapitolinosRoma
MoradaMonte Olimpo
Uma cabeça de Górgona do lado de fora de cada uma das três alças do Vix-krater, do túmulo da Senhora Celta de Vix, 510 a.C.

Uma Górgona (em grego clássicoΓοργών/Γοργώromaniz.:Gorgṓn/Gorgṓ) é uma criatura da mitologia grega. As Górgonas aparecem nos primórdios da literatura grega. Embora as descrições de Górgonas variem, o termo mais comumente se refere a três irmãs que são descritas como tendo cabelos feitos de cobras vivas e venenosas e rostos horríveis que transformavam em pedra aqueles que as viam. Tradicionalmente, duas das Górgonas, Esteno e Euríale, eram imortais, mas sua irmã Medusa não era[1] e foi morta pelo semideus e herói Perseu.

Etimologia

O nome deriva da palavra grega antiga gorgós (γοργός), que significa 'sombrio ou terrível', e parece vir da mesma raiz da palavra sânscrita garjana (गर्जन), que significa um som gutural, semelhante ao rosnado de uma besta,[2] possivelmente originando-se como uma onomatopeia.

Origens

Vários estudiosos dos primeiros clássicos interpretaram o mito da Medusa como uma memória quase histórica ou "sublimada" de uma invasão real.[3][a]

A lenda de Perseu decapitando Medusa significa, especificamente, que "os helenos invadiram os principais santuários da deusa" e "despojaram suas sacerdotisas de suas máscaras de Górgona", sendo estas últimas faces apotropaicas usadas para assustar os profanos.

Ou seja, ocorreu no início do século XIII a.C. uma verdadeira ruptura histórica, uma espécie de trauma sociológico, que ficou registrado nesse mito, assim como o que Freud chama de conteúdo latente de uma neurose está registrado no conteúdo manifesto de um sonho: registrado, mas oculto, registrado no inconsciente, mas desconhecido ou mal interpretado pela mente consciente.
      — J. Campbell (1968)[5][b]

Enquanto procuram as origens, outros sugeriram o exame de algumas semelhanças com a criatura babilônicaHumbaba, no épico de Gilgamés.[6]

Perseu e Medusa

Perseu matando Medusa, século 6 a.C

Nos mitos tardios, Medusa era a única das três Górgonas que não era imortal.[7] O rei Polidectes enviou Perseu para matar Medusa na esperança de tirá-lo do caminho, enquanto ele perseguia a mãe de Perseu, Dânae. Alguns desses mitos relatam que Perseu estava armado com uma foice de Hermes e um espelho (ou escudo) de Atena.[8] Perseu poderia seguramente cortar a cabeça de Medusa sem virar pedra olhando apenas para seu reflexo no escudo. Do sangue que jorrou de seu pescoço e caiu no mar, nasceram Pégaso[9] e Crisaor, seus filhos com Posídon. Outras fontes dizem que cada gota de sangue se tornou uma cobra.[10] Alguns dizem que Perseu deu a cabeça, que reteve o poder de transformar em pedra todos os que olhassem para ela, para Atenas. Ela então o colocou no escudo espelhado chamado Égide[11] e o deu a Zeus. Outra fonte diz que Perseu enterrou a cabeça no mercado de Argos.[12]

De acordo com outros relatos, ele ou Atena usaram a cabeça para transformar Atlas em pedra,[13] transformando-o na Cordilheira do Atlas que sustentavam o céu e a terra. Ele também usou a Górgona contra Cetus (ao salvar Andrômeda) e um pretendente concorrente, Fineas, primo de Andrômeda. Por fim, ele a usou contra o rei Polidectes. Quando Perseu voltou à corte do rei, Polidectes perguntou se ele tinha a cabeça da Medusa. Perseus respondeu "aqui está" e segurou-o no alto, transformando toda a corte em pedra.[14]

Notas

  1.  Grande parte do mito grego é história político-religiosa. Belerofonte domina Pégaso alado e mata a Quimera. Perseu, numa variante da mesma lenda, voa pelos ares e decapita a mãe de Pégaso, a Górgona Medusa; tanto quanto Marduk, um herói babilônico, mata o monstro Tiamat, Deusa do Selo. O nome de Perseus deve ser escrito corretamente Perseus, 'o destruidor'; e ele não era, como sugeriu o professor Kerenyi, uma figura arquetípica da Morte, mas provavelmente representava os helenos patriarcais que invadiram a Grécia e a Ásia Menor no início do segundo milênio aC e desafiaram o poder da deusa tríplice. Pegasus era sagrado para ela porque o cavalo com seus cascos em forma de lua figurava nas cerimônias de fazer chover e na nomeação de reis sagrados; suas asas simbolizavam uma natureza celestial, ao invés de velocidade[3] que a Medusa já foi a própria deusa, escondida atrás de uma máscara profilática de Górgona: um rosto hediondo destinado a alertar o profano contra a invasão de seus mistérios. Perseu decapita Medusa: isto é, os helenos invadiram os principais santuários da deusa, despojaram suas sacerdotisas de suas máscaras de Górgona e tomaram posse dos cavalos sagrados — uma antiga representação da deusa com cabeça de Górgona e corpo de égua foi encontrada na Beócia. Belerofonte, o duplo de Perseu, mata a Quimera Lícia, ou seja: os helenos anularam o antigo calendário medusano e o substituíram por outro.
          — R. Graves (1955)[4]
  2.  Já falamos da Medusa e dos poderes de seu sangue para dar vida e morte. Podemos agora pensar na lenda de seu assassino, Perseu, por quem sua cabeça foi removida e apresentada a Atenas. O professor Hainmond atribui o histórico rei Perseu de Micenas a uma data c. 1290 a.C., como fundador de uma dinastia; e Robert Graves – cujos dois volumes sobre os mitos gregossão particularmente notáveis por suas sugestivas aplicações históricas — propõe que a lenda de Perseu decapitando Medusa significa, especificamente, que "os helenos invadiram os principais santuários da deusa" e "despojaram suas sacerdotisas de suas máscaras de Górgona", sendo estas últimas faces apotropaicas usadas para assustar afastar o profano. Ou seja, ocorreu no início do século XIII a.C. uma verdadeira ruptura histórica, uma espécie de trauma sociológico, que foi registrado neste mito, assim como o que Freud chama de conteúdo latente de uma neurose está registrado no conteúdo manifesto de um sonho: registrado, mas oculto, registrado no inconsciente, mas desconhecido ou mal interpretado pela mente consciente. E em cada um desses mitos de triagem – em cada uma dessas mitologias (a da Bíblia sendo, como acabamos de ver, outra do gênero) – entra uma duplicidade essencial, cujas consequências não podem ser desconsideradas ou suprimidas.
          — J. Campbell (1968)[5]

Referências

  1.  «Hesiod, Theogony, line 270»www.perseus.tufts.edu. Consultado em 16 de maio de 2023
  2.  Feldman, Thalia (1965). «Gorgo and the origins of fear». Arion4 (3): 484–94. JSTOR 20162978
  3.  
    Ir para:
    a b Harrison, Jane Ellen (5 de junho de 1991) [1908]. Prolegomena to the Study of Greek Religion. Princeton, New Jersey: Princeton University Press. pp. 187–188. ISBN 978-0691015149
  4.  Graves, Robert (1955). The Greek Myths. [S.l.]: Penguin Books. pp. 17, 244. ISBN 978-0241952740
  5.  
    Ir para:
    a b Campbell, Joseph (1968). Occidental Mythology. Col: The Masks of God. 3. [S.l.]: Penguin Books. pp. 152–153. ISBN 978-0140194418
  6.  Hopkins, Clark (1934). Assyrian Elements in the Perseus-Gorgon Story. Col: American Journal of Archaeology, 3. 38. [S.l.]: Archaeological Institute of America. pp. 341–358. JSTOR 498901doi:10.2307/498901
  7.  «Hesiod, Theogony, line 270»www.perseus.tufts.edu. Consultado em 26 de abril de 2023
  8.  «A Dictionary of Greek and Roman biography and mythology, Perseus»www.perseus.tufts.edu. Consultado em 26 de abril de 2023
  9.  «Apollodorus, Library, book 2, chapter 3»www.perseus.tufts.edu. Consultado em 26 de abril de 2023
  10.  «Charlton T. Lewis, Charles Short, A Latin Dictionary, Mĕdūsa»www.perseus.tufts.edu. Consultado em 26 de abril de 2023
  11.  «Henry George Liddell, Robert Scott, An Intermediate Greek-English Lexicon, Γοργώ»www.perseus.tufts.edu. Consultado em 26 de abril de 2023
  12.  «Pausanias, Description of Greece, Corinth, chapter 21»www.perseus.tufts.edu. Consultado em 26 de abril de 2023
  13.  «M. Annaeus Lucanus, Pharsalia, book 9, line 619»www.perseus.tufts.edu. Consultado em 26 de abril de 2023
  14.  «Strabo, Geography, Book 10, chapter 5»www.perseus.tufts.edu. Consultado em 26 de abril de 2023

Postar um comentário

0 Comentários

Postagem em destaque

Parte 3 - Ocorrência envolvendo operadores de Segurança Pública