Os Trabalhos de Hércules - MITOLOGIA GREGA




Os 12 Trabalhos de Hércules (Alcides):

Introdução:

Os Doze Trabalhos de Hércules (Alcides) são uma série de desafios épicos que o herói teve que completar como expiação por um crime que ele cometeu sob a influência de Hera. As tarefas, impostas pelo rei Euristeu, eram extremamente árduas e perigosas, exigindo toda a força, inteligência e coragem de Hércules.

Lista dos Trabalhos:

  1. Matar o Leão de Nemeia: Um leão enorme com pele invulnerável que aterrorizava a região de Nemeia.
  2. Matar a Hidra de Lerna: Uma serpente monstruosa com nove cabeças, uma das quais era imortal.
  3. Capturar a Corça de Cerineia: Uma corça veloz e de chifres de ouro que vivia no Monte Cilene.
  4. Capturar o Javali de Erimanto: Um javali selvagem e feroz que devastava a região de Erimanto.
  5. Limpar os Estábulos de Augeias: Augeias, rei da Élide, tinha estábulos que não eram limpos há anos. Hércules desviou um rio para limpá-los em um dia.
  6. Afugentar os Pássaros do Lago Estínfalo: Pássaros carnívoros com bicos e garras de bronze que aterrorizavam a região do Lago Estínfalo.
  7. Capturar o Touro de Creta: Um touro furioso e poderoso que devastava a ilha de Creta.
  8. Domar as Éguas de Diomedes: Éguas selvagens e carnívoras que Diomedes, rei da Trácia, alimentava com carne humana.
  9. Obter o Cinturão de Hipólita: Hipólita, rainha das Amazonas, usava um cinto mágico que era símbolo de seu poder.
  10. Roubar os Bois de Gerião: Gerião era um gigante de três cabeças que guardava um rebanho de bois vermelhos na ilha de Eritreia.
  11. Obter os Pomo de Ouro do Jardim das Hespérides: As Hespérides, ninfas filhas de Atlas, guardavam maçãs de ouro em um jardim no fim do mundo.
  12. Capturar Cérbero, o Cão de Hades: Cérbero era um cão de três cabeças que guardava a entrada do submundo.

Superação dos Desafios:

Hércules, com sua força descomunal, inteligência e ajuda de aliados, conseguiu superar todos os desafios. Sua bravura e heroísmo o tornaram um dos personagens mais célebres da mitologia grega.

Simbolismo e Significado:

Os Doze Trabalhos de Hércules representam a luta do bem contra o mal, da ordem contra o caos, e da força humana contra as adversidades. A história de Hércules serve como um exemplo de superação, perseverança e busca pela redenção.

Representações na Arte e Cultura:

Os Doze Trabalhos de Hércules foram tema de diversas obras de arte e literatura ao longo da história. Pinturas, esculturas, poemas, peças de teatro e filmes retrataram a bravura e heroísmo do personagem.

Conclusão:

Os Doze Trabalhos de Hércules são uma história épica que continua a inspirar e encantar pessoas de todas as idades. A bravura, a força e a perseverança de Hércules servem como exemplos para todos que enfrentam desafios em suas vidas.

Recursos Adicionais:




Hércules e o Leão de Nemeia: A Primeira Proeza do Herói

O primeiro dos Doze Trabalhos de Hércules foi enfrentar o Leão de Nemeia, uma fera terrível que aterrorizava a região da Nemeia. O animal era enorme, com força descomunal e uma pele invulnerável a flechas e espadas.

A Busca pelo Leão:

Hércules partiu em busca da fera, seguindo as marcas de suas patas gigantescas. Ao encontrá-la, ele a atacou com flechas, mas os disparos ricochetearam em sua pele impenetrável.

A Luta:

Hércules então decidiu usar sua força bruta para enfrentar o leão. Ele golpeou a fera com sua clava, mas ela resistia a todos os seus ataques. Em um momento crucial, Hércules agarrou o leão pelo pescoço e o estrangulou até a morte.

A Pele do Leão:

Hércules, exausto, mas vitorioso, removeu a pele do leão com suas próprias garras, pois nenhuma arma terrestre era capaz de cortá-la. A partir de então, ele passou a usar a pele como armadura, protegendo-se em suas futuras batalhas.

Simbolismo e Significado:

O combate contra o Leão de Nemeia representa a primeira grande prova de força e bravura de Hércules. A vitória sobre a fera simboliza a superação do medo e do perigo, e a conquista da força interior.

Representações na Arte e Cultura:

A luta de Hércules contra o Leão de Nemeia foi tema de diversas obras de arte e literatura ao longo da história. Pinturas, esculturas, poemas e peças de teatro retrataram a bravura e heroísmo do personagem.

Conclusão:

A história de Hércules e o Leão de Nemeia é um conto atemporal sobre heroísmo, perseverança e triunfo sobre o mal. A bravura de Hércules nos inspira a enfrentar os desafios da vida com força e determinação.

Recursos Adicionais:



Hércules e a Hidra de Lerna: Enfrentando a Fera de Múltiplas Cabeças

O segundo dos Doze Trabalhos de Hércules foi enfrentar a Hidra de Lerna, uma criatura monstruosa com nove cabeças de serpente que exhalavam um hálito venenoso. A Hidra vivia em um pântano, aterrorizando a região de Lerna.

A Busca pela Hidra:

Hércules, acompanhado de seu sobrinho Iolau, partiu em busca da Hidra. Ao chegar ao pântano, ele cobriu o rosto com um pano para se proteger do hálito venenoso da criatura.

A Luta:

Hércules atacou a Hidra com sua clava, mas a cada cabeça que ele cortava, duas novas surgiam em seu lugar. Percebendo que a força bruta não seria suficiente, ele teve que usar de estratégia.

A Solução:

Com a ajuda de Iolau, Hércules cauterizou os cotos das cabeças cortadas com tochas, impedindo que novas nascessem. Finalmente, ele conseguiu cortar a cabeça imortal da Hidra e enterrá-la sob uma rocha enorme.

O Veneno da Hidra:

Hércules utilizou o veneno da Hidra para envenenar suas flechas, tornando-as armas mortais em suas futuras batalhas.

Simbolismo e Significado:

A luta contra a Hidra de Lerna representa a superação de desafios aparentemente impossíveis. A persistência e a inteligência de Hércules demonstram que, com estratégia e força de vontade, podemos vencer qualquer obstáculo.

Representações na Arte e Cultura:

A luta de Hércules contra a Hidra de Lerna foi tema de diversas obras de arte e literatura ao longo da história. Pinturas, esculturas, poemas e peças de teatro retrataram a bravura e heroísmo do personagem.

Conclusão:

A história de Hércules e a Hidra de Lerna é um conto atemporal sobre heroísmo, perseverança e triunfo sobre o mal. A bravura e inteligência de Hércules nos inspiram a enfrentar os desafios da vida com criatividade e determinação.

Recursos Adicionais:


Hércules Captura a Corça de Cerineia: Uma Perseguição Implacável

O terceiro dos Doze Trabalhos de Hércules foi capturar a Corça de Cerineia, um animal veloz e de chifres de ouro que vivia no Monte Cilene. A corça era sagrada para Ártemis, a deusa da caça, e era considerada impossível de ser capturada.

A Perseguição:

Hércules perseguiu a corça por um ano inteiro, percorrendo longas distâncias e enfrentando diversos desafios. A corça era tão rápida que Hércules não conseguia alcançá-la.

A Captura:

Finalmente, Hércules conseguiu ferir a corça com uma flecha, mas ela não morreu. Ele então a perseguiu até o rio Ladão, onde ela se refugiou sob a proteção de Ártemis.

O Encontro com Ártemis:

Hércules se aproximou da deusa com respeito e humildade, explicando que precisava capturar a corça como parte de seus trabalhos. Ártemis, impressionada com a bravura e perseverança de Hércules, concordou em permitir que ele levasse a corça, desde que a devolvesse após o trabalho ser completado.

O Retorno:

Hércules capturou a corça e a levou para Euristeu, rei de Micenas. Após a conclusão do trabalho, ele devolveu a corça à deusa Ártemis, cumprindo sua promessa.

Simbolismo e Significado:

A captura da Corça de Cerineia representa a perseverança, a determinação e a capacidade de Hércules de superar desafios seemingly impossible. A história também demonstra a importância do respeito e da humildade em relação aos deuses.

Representações na Arte e Cultura:

A captura da Corça de Cerineia foi tema de diversas obras de arte e literatura ao longo da história. Pinturas, esculturas, poemas e peças de teatro retrataram a bravura e heroísmo do personagem.

Conclusão:

A história de Hércules e a Corça de Cerineia é um conto atemporal sobre heroísmo, perseverança e o respeito à natureza. A bravura e a determinação de Hércules nos inspiram a perseguir nossos objetivos com foco e persistência.

Recursos Adicionais:



Capturar o Javali de Erimanto: Uma Caçada Perigosa

O quarto dos Doze Trabalhos de Hércules foi capturar o Javali de Erimanto, um animal selvagem e feroz que devastava a região de Erimanto. O javali era enorme, com força descomunal e dentes afiados como espadas.

A Busca pelo Javali:

Hércules partiu em busca do javali, seguindo as marcas de suas patas gigantescas. Ao encontrá-lo, ele o atraiu para uma armadilha usando neve e o capturou vivo, usando uma rede resistente.

O Retorno:

Hércules carregou o javali vivo sobre seus ombros até Micenas, onde o apresentou ao rei Euristeu. O rei ficou aterrorizado com a fera e se escondeu dentro de um jarro de bronze.

Simbolismo e Significado:

A captura do Javali de Erimanto representa a força bruta, a coragem e a inteligência de Hércules. A história também demonstra a importância de superar o medo e enfrentar os desafios com determinação.

Representações na Arte e Cultura:

A captura do Javali de Erimanto foi tema de diversas obras de arte e literatura ao longo da história. Pinturas, esculturas, poemas e peças de teatro retrataram a bravura e heroísmo do personagem.

Conclusão:

A história de Hércules e o Javali de Erimanto é um conto atemporal sobre heroísmo, força e o triunfo sobre o medo. A bravura e a inteligência de Hércules nos inspiram a enfrentar os desafios da vida com determinação e criatividade.

Recursos Adicionais:


Limpar os Estábulos de Augeias: Um Trabalho Hercúleo

O quinto dos Doze Trabalhos de Hércules foi limpar os estábulos de Augeias, rei da Élida. Os estábulos não eram limpos há anos e estavam cheios de esterco, exaurindo a região com um odor fétido.

O Desafio:

Hércules propôs a Augeias que limparia os estábulos em um único dia se ele lhe desse um décimo do seu rebanho como recompensa. Augeias, certo de que a tarefa era impossível, aceitou o desafio.

A Solução:

Hércules desviou o curso dos rios Alfeu e Peneu, direcionando suas águas para os estábulos. A força das águas limpou todo o esterco em um dia, cumprindo a tarefa proposta.

A Recompensa:

Augeias, recusando-se a pagar a recompensa prometida, alegou que Hércules havia realizado o trabalho em serviço ao rei Euristeu. Hércules, furioso, lutou contra Augeias e seus filhos, matando-os e tomando posse do rebanho.

Simbolismo e Significado:

A limpeza dos estábulos de Augeias representa a purificação, a ordem e a superação de obstáculos aparentemente impossíveis. A história também demonstra a importância da inteligência e da criatividade para solucionar problemas.

Representações na Arte e Cultura:

A limpeza dos estábulos de Augeias foi tema de diversas obras de arte e literatura ao longo da história. Pinturas, esculturas, poemas e peças de teatro retrataram a bravura e heroísmo do personagem.

Conclusão:

A história de Hércules e os estábulos de Augeias é um conto atemporal sobre heroísmo, inteligência e o triunfo sobre a injustiça. A bravura e a criatividade de Hércules nos inspiram a enfrentar os desafios da vida com força e determinação.

Recursos Adicionais:



Afugentar os Pássaros do Lago Estínfalo: Uma Ameaça Aérea

O sexto dos Doze Trabalhos de Hércules foi afugentar os Pássaros do Lago Estínfalo, aves carnívoras com bicos e garras de bronze que aterrorizavam a região do Lago Estínfalo.

A Ameaça:

Os pássaros eram extremamente perigosos, pois atacavam pessoas e animais, causando grande devastação. Hércules precisava encontrar uma forma de afugentá-los para proteger a população.

A Solução:

Atena, a deusa da sabedoria, deu a Hércules um escudo de bronze e um par de castanholas. Ele então subiu em uma colina e, usando as castanholas, fez um barulho estrondoso que assustou os pássaros, fazendo-os voar para longe.

O Sucesso:

Com os pássaros afugentados, a região do Lago Estínfalo finalmente estava livre da ameaça. Hércules, com sua bravura e inteligência, havia completado mais um trabalho.

Simbolismo e Significado:

Afugentar os pássaros do Lago Estínfalo representa a superação do medo, a proteção dos fracos e a vitória do bem sobre o mal. A história também demonstra a importância da inteligência e da estratégia para superar desafios.

Representações na Arte e Cultura:

Afugentar os pássaros do Lago Estínfalo foi tema de diversas obras de arte e literatura ao longo da história. Pinturas, esculturas, poemas e peças de teatro retrataram a bravura e heroísmo do personagem.

Conclusão:

A história de Hércules e os pássaros do Lago Estínfalo é um conto atemporal sobre heroísmo, inteligência e o triunfo sobre o medo. A bravura e a inteligência de Hércules nos inspiram a enfrentar os desafios da vida com coragem e criatividade.

Recursos Adicionais:



Capturar o Touro de Creta: Uma Força Indomável

O sétimo dos Doze Trabalhos de Hércules foi capturar o Touro de Creta, um animal feroz e de força descomunal que devastava a ilha de Creta. O touro era uma criatura enviada por Poseidon como punição ao rei Minos.

A Busca pelo Touro:

Hércules partiu para Creta e, com sua força e bravura, conseguiu dominar o touro. Ele o agarrou pelos chifres e o subjugou, montando em suas costas.

O Retorno:

Hércules levou o touro de Creta de volta a Micenas, onde o rei Euristeu ficou impressionado com a força do herói. O rei ordenou que o touro fosse sacrificado a Zeus, mas o animal escapou e se refugiou em Olímpia.

Simbolismo e Significado:

Capturar o Touro de Creta representa a força bruta, a coragem e a capacidade de Hércules de superar desafios aparentemente impossíveis. A história também demonstra a importância de domar a natureza selvagem e de controlar seus impulsos.

Representações na Arte e Cultura:

Capturar o Touro de Creta foi tema de diversas obras de arte e literatura ao longo da história. Pinturas, esculturas, poemas e peças de teatro retrataram a bravura e heroísmo do personagem.

Conclusão:

A história de Hércules e o Touro de Creta é um conto atemporal sobre heroísmo, força e o triunfo sobre o caos. A bravura e a força de Hércules nos inspiram a enfrentar os desafios da vida com determinação e controle.

Recursos Adicionais:

Observação:

  • O touro de Creta não foi morto por Hércules, apenas capturado e domado.


Domar as Éguas de Diomedes: Uma Força Brutal

O oitavo dos Doze Trabalhos de Hércules foi domar as Éguas de Diomedes, quatro animais selvagens e ferozes que se alimentavam de carne humana. As éguas eram criadas por Diomedes, rei da Trácia, e eram um terror para a região.

A Busca pelas Éguas:

Hércules partiu para a Trácia e, com a ajuda de Abdero, seu amigo e companheiro, conseguiu capturar as éguas. Ele as dominou usando força bruta e as amansou, privando-as de sua comida humana.

O Retorno:

Hércules levou as éguas de Diomedes de volta a Micenas, onde o rei Euristeu ficou impressionado com a bravura do herói. As éguas foram posteriormente devoradas por feras selvagens.

Simbolismo e Significado:

Domar as éguas de Diomedes representa a força bruta, a coragem e a capacidade de Hércules de superar desafios seemingly impossible. A história também demonstra a importância de controlar a natureza selvagem e de subjugar os instintos mais primitivos.

Representações na Arte e Cultura:

Domar as éguas de Diomedes foi tema de diversas obras de arte e literatura ao longo da história. Pinturas, esculturas, poemas e peças de teatro retrataram a bravura e heroísmo do personagem.

Conclusão:

A história de Hércules e as éguas de Diomedes é um conto atemporal sobre heroísmo, força e o triunfo sobre a bestialidade. A bravura e a força de Hércules nos inspiram a enfrentar os desafios da vida com determinação e controle.

Recursos Adicionais:

Observação:

  • Abdero foi morto acidentalmente pelas éguas de Diomedes enquanto Hércules as domava.
  • As éguas de Diomedes não eram deuses, mas sim animais selvagens.

Obter o Cinturão de Hipólita: Um Desafio Diplomático e Bélico

O nono dos Doze Trabalhos de Hércules foi obter o Cinturão de Hipólita, rainha das Amazonas. O cinto era um símbolo de poder e força, e Hércules precisava obtê-lo para a filha de Euristeu.

A Missão:

Hércules partiu para o reino das Amazonas com um grupo de heróis. Ele inicialmente tentou obter o cinto por meio da diplomacia, mas Hipólita recusou-se a entregá-lo.

A Batalha:

As Amazonas, guerreiras ferozes, interpretaram a missão de Hércules como um ataque e se prepararam para a batalha. Hércules e seus homens lutaram bravamente contra as Amazonas, e no final, Hércules conseguiu vencer a batalha e obter o cinto.

O Retorno:

Hércules retornou a Micenas com o cinto, mas Euristeu ficou furioso com a morte de muitas Amazonas na batalha. Ele ordenou que Hércules devolvesse o cinto à rainha Hipólita.

Simbolismo e Significado:

Obter o Cinturão de Hipólita representa a força, a bravura e a capacidade de Hércules de superar desafios diplomáticos e bélicos. A história também demonstra a importância da diplomacia e do respeito às mulheres, mesmo em tempos de guerra.

Representações na Arte e Cultura:

Obter o Cinturão de Hipólita foi tema de diversas obras de arte e literatura ao longo da história. Pinturas, esculturas, poemas e peças de teatro retrataram a bravura e heroísmo do personagem.

Conclusão:

A história de Hércules e o Cinturão de Hipólita é um conto atemporal sobre heroísmo, força e a importância da diplomacia. A bravura e a inteligência de Hércules nos inspiram a buscar soluções pacíficas para os desafios da vida, mesmo em situações de conflito.

Recursos Adicionais:

Observação:

  • A história de Hércules e o Cinturão de Hipólita apresenta diferentes versões, com algumas interpretações enfatizando a violência da batalha e outras destacando a capacidade de Hércules de negociar e obter o cinto por meio da diplomacia.


Roubar os Bois de Gerião: Enfrentando um Monstro de Três Cabeças

O décimo dos Doze Trabalhos de Hércules foi roubar os bois de Gerião, um monstro de três cabeças e seis braços que habitava a ilha de Eritia. Os bois eram gigantescos e de beleza inigualável, e Hércules precisava obtê-los para Euristeu.

A Jornada:

Hércules viajou para Eritia, enfrentando diversos desafios durante a jornada. Ele cruzou o Oceano Atlântico em um cálice dourado emprestado pelo deus Sol, e enfrentou o gigante Euritião, guardião dos bois.

O Roubo:

Hércules enfrentou Gerião em uma batalha épica. O monstro era forte e feroz, mas Hércules conseguiu matá-lo com suas flechas envenenadas. Depois de derrotar Gerião, Hércules reuniu os bois e os levou de volta para Micenas.

O Retorno:

Euristeu ficou impressionado com a bravura de Hércules e o recompensou com a posse dos bois. No entanto, Hera, a rainha dos deuses, enviou uma mosca para atormentar os bois, fazendo-os vagar sem parar.

Simbolismo e Significado:

Roubar os bois de Gerião representa a força, a bravura e a capacidade de Hércules de superar desafios seemingly impossible. A história também demonstra a importância da perseverança e da determinação, mesmo em face de obstáculos.

Representações na Arte e Cultura:

Roubar os bois de Gerião foi tema de diversas obras de arte e literatura ao longo da história. Pinturas, esculturas, poemas e peças de teatro retrataram a bravura e heroísmo do personagem.

Conclusão:

A história de Hércules e os bois de Gerião é um conto atemporal sobre heroísmo, força e a importância da perseverança. A bravura e a determinação de Hércules nos inspiram a superar os desafios da vida com força e coragem.

Recursos Adicionais:


Obter os Pomo de Ouro do Jardim das Hespérides: Uma Busca Impossível

O décimo primeiro dos Doze Trabalhos de Hércules foi obter os Pomo de Ouro do Jardim das Hespérides. Estes frutos eram dourados e concediam a imortalidade a quem os comesse. O jardim era vigiado por um dragão de cem cabeças chamado Ladão e pelas Hespérides, ninfas filhas de Atlas.

A Busca:

Hércules viajou para o Jardim das Hespérides, enfrentando diversos desafios durante a jornada. Ele precisou encontrar o local secreto do jardim, lutar contra o dragão Ladão e convencer as Hespérides a entregar os Pomo de Ouro.

A Conquista:

Hércules não conseguiu derrotar Ladão em combate, então ele o enganou e o adormeceu com uma canção. Enquanto o dragão dormia, Hércules colheu os Pomo de Ouro. As Hespérides, furiosas, perseguiram Hércules, mas ele conseguiu escapar.

O Retorno:

Hércules entregou os Pomo de Ouro a Euristeu, que os deu para Atena. A deusa os devolveu ao Jardim das Hespérides.

Simbolismo e Significado:

Obter os Pomo de Ouro do Jardim das Hespérides representa a busca pela imortalidade, a superação de desafios seemingly impossible e a importância da inteligência e da estratégia. A história também demonstra que a imortalidade não é algo que se possa alcançar facilmente, e que a busca por ela pode ser perigosa.

Representações na Arte e Cultura:

Obter os Pomo de Ouro do Jardim das Hespérides foi tema de diversas obras de arte e literatura ao longo da história. Pinturas, esculturas, poemas e peças de teatro retrataram a bravura e heroísmo do personagem.

Conclusão:

A história de Hércules e os Pomo de Ouro do Jardim das Hespérides é um conto atemporal sobre heroísmo, inteligência e a busca por um ideal inalcançável. A bravura e a inteligência de Hércules nos inspiram a perseguir nossos sonhos, mesmo que pareçam impossíveis.

Recursos Adicionais:

Observações:

  • Existem diferentes versões da história, em algumas Hércules pede a Atlas para colher os Pomo de Ouro enquanto ele sustenta o céu.
  • Os Pomo de Ouro não eram maçãs, mas sim laranjas ou outros frutos cítricos.


Capturar Cérbero, o Cão de Hades: Um Desafio Infernal

O décimo segundo e último dos Doze Trabalhos de Hércules foi capturar Cérbero, o cão de três cabeças que guardava os portões do Hades, o mundo dos mortos. Cérbero era uma criatura feroz e aterrorizante, e Hércules precisava capturá-lo vivo para Euristeu.

A Descida ao Inferno:

Hércules viajou para o submundo, enfrentando diversos perigos durante a jornada. Ele cruzou o rio Aqueronte, o rio dos mortos, e enfrentou Caronte, o barqueiro que transportava as almas.

O Encontro com Hades:

Hércules chegou ao palácio de Hades e pediu ao deus do submundo permissão para capturar Cérbero. Hades concordou, desde que Hércules o dominasse sem usar armas.

A Captura:

Hércules encontrou Cérbero e o enfrentou em uma luta épica. O cão era forte e feroz, mas Hércules conseguiu dominá-lo com sua força bruta. Ele agarrou Cérbero pelo pescoço e o estrangulou até que o animal se submeteu.

O Retorno:

Hércules levou Cérbero de volta ao mundo dos vivos e o apresentou a Euristeu, que ficou aterrorizado com a criatura. Euristeu ordenou que Hércules devolvesse Cérbero ao Hades, o que ele fez.

Simbolismo e Significado:

Capturar Cérbero, o Cão de Hades, representa a força, a bravura e a capacidade de Hércules de superar desafios aparentemente impossíveis. A história também demonstra a importância da coragem e da determinação para enfrentar os nossos medos e superar os limites do humano.

Representações na Arte e Cultura:

Capturar Cérbero, o Cão de Hades, foi tema de diversas obras de arte e literatura ao longo da história. Pinturas, esculturas, poemas e peças de teatro retrataram a bravura e heroísmo do personagem.

Conclusão:

A história de Hércules e Cérbero, o Cão de Hades, é um conto atemporal sobre heroísmo, força e a importância de enfrentar os nossos medos. A bravura e a determinação de Hércules nos inspiram a superar os desafios da vida com coragem e ousadia.

Recursos Adicionais:

Observações:

  • Hércules foi o único mortal que conseguiu capturar Cérbero e retornar vivo do submundo.
  • A captura de Cérbero representa o triunfo da vida sobre a morte.




Postar um comentário

0 Comentários

Postagem em destaque

Parte 3 - Ocorrência envolvendo operadores de Segurança Pública