SÉRIE MITOLOGIA | Textos Mitológicos | O segredo do Rei Midas

 

O segredo do Rei Midas


Dizem que o Rei Midas da Frígia era um sujeito atrapalhado, que ousou afirmar um dia, que a flauta tocada pelo sátiro Marsias era muito mais melodiosa do que a harpa tocada por Apolo. Quando o deus da música soube disso ficou furioso e castigou aquela afronta fazendo as orelhas de Midas crescerem longas e peludas, como as orelhas de burro. Para ocultá-las, o rei colocou na cabeça um barrete vermelho do tipo que os camponeses frígios costumavam usar naquela época.

Depois de um ano, o cabelo do rei tinha crescido tanto que ele precisou chamar um barbeiro ao palácio. Com ar ameaçador, Midas conduziu o homem a uma sala sem janelas e fechou a porta com chave. Quando tirou o barrete e deixou as longas orelhas à mostra, o barbeiro começou a trabalhar com suas tesouras como se nada notasse de diferente. Ao terminar o corte, Midas avisou-o que aquilo era segredo e o ameaçou caso contasse para alguém.

O barbeiro aparentando indiferença, disse: - Não sei do que Vossa Majestade está falando, pois eu nada vi nesta sala que já não tivesse visto antes. O rei ficou tão satisfeito com a resposta que o gratificou generosamente. O barbeiro saiu do palácio trêmulo por perceber que tinha estado em grande perigo.

Pouco a pouco aquele segredo começou a pesar tanto para o pobre barbeiro que ele acabou ficando mais infeliz do que o rei orelhudo. Precisava contar aquilo para alguém, dividir aquele peso insuportável, aliviar sua mente mas temia ainda as ameaças do rei. Continuou a sofrer até que um dia, teve uma inspiração. Afastou-se o mais que pode da cidade e, lá longe, na curva deserta de um rio, cavou um buraco na margem, ajoelhou-se na areia úmida e sussurou ao buraco três vêzes: "Midas tem orelhas de burro".

Aliviado, repôs a terra cuidadosamente, cobrindo assim as perigosas palavras que tinha proferido e retornou em silêncio para casa. Mas bem ali, naquele ponto onde cavou o buraco, algum tempo depois nasceu uma touceira de juncos que, na primavera seguinte, quando o vento agitava suas hastes flexíveis, faziam um barulho que parecia reproduzir na linguagem deles, o segredo que tinha sido confiado à terra: "Midas tem orelhas de burro".

O vento espalhou aquele segredo pelos campos, e os campos o repetiu para os cascos dos cavalos que por ali passavam, em direção à cidade, e a cidade o repetiu nas esquinas, nas feiras e no mercado, até que todos se inteirassem daquele fato.

********************

Enfrentar a verdade é um modo de evitar tornar-se refém da mentira e das falsidades que tenta sustentar embora saiba que elas tem uma vida curta. Tornar-se íntegro e inteiro é o modo mais eficiente e prático de viver, sem simulações que cedo cedem lugar ao que é verdadeiro.

Midas foi um grande tolo, como tolos são todos aqueles que pensam poder ocultar, com dinheiro, poder e ameaças, as suas orelhas de burro. Mais cedo do que imaginam, o vento espalhará pela cidade os segredos e as verdades que em vão tentam esconder.


Nascida em Belo Horizonte, apaixonada pela vida urbana, sou fascinada pelo meu tempo e pelo passado histórico, dois contrastes que exploro para entender o futuro. Tranquila com a vida e insatisfeita com as convenções, procuro conhecer gente e culturas, para trazer de uma viagem, além de fotos e recordações, o que aprendo durante a caminhada. E o que mais engradece um caminhante é saber que ao compartilhar seu conhecimento, possa tornar o mundo melhor.

Postar um comentário

0 Comentários

Postagem em destaque