4. PM-MG - 2017 - PM-MG - 2º Tenente - Enfermagem ... O MEDO QUE DIVIDE OS DOIS BRASIS A primeira reação à estridência em torno do banditismo é o medo. Do medo à defesa pessoal o passo é pequeno.

 








4. PM-MG - 2017 - PM-MG - 2º Tenente - Enfermagem

O MEDO QUE DIVIDE OS DOIS BRASIS

A primeira reação à estridência em torno do banditismo é o medo. Do medo à defesa pessoal o passo é pequeno.

E da defesa vai-se aos exageros de segurança – aos condomínios fechados e guaritas, às cancelas, aos guarda--costas e carros blindados. E dos exageros ao delírio de ter medo de todos os desconhecidos.

Claro está que o problema da criminalidade nas metrópoles existe, é grave. Que em algumas cidades a polícia se misturou com a bandidagem. Que o medo tem razão de ser. O que não se explica é como será o país que se pretende construir, no qual se quer viver, se uma parte expressiva da população se cerca e constrói muros cada vez mais altos para se defender de uma outra categoria de brasileiros que considera ameaçadora. Não existe país viável baseado na exclusão de uma categoria de cidadãos.

[...] A segregação e a exclusão não podem ser as vigas mestras para fazer uma civilização democrática.

As metrópoles brasileiras não irão virar paraísos de tranquilidade do dia para a noite. O desafio, justamente, é melhorá-las para o conjunto de seus habitantes, não deixando que se criem guetos – sejam eles de miseráveis ou de triliardários. Os problemas das grandes cidades do Brasil não são simplesmente policiais ou urbanos. São problemas sociais. A concentração de renda, os desníveis nas condições de vida, os extremos de riqueza e pobreza abrem um fosso dividindo o país. Fazendo com que uma parte tenha medo da outra. O desafio, portanto, é de outra natureza: em vez de separar com muros, é preciso juntar os Brasis, fazê-lo justo e democrático.

Revista Veja, 23/11/1994.

O texto, “O medo que divide os dois Brasis”, é quanto ao

gênero textual classificado como:

A) Argumentativo.

B) Expositivo.

C) Injuntivo.

D) Narrativo.




O texto "O medo que divide os dois Brasis" se classifica como um texto argumentativo (alternativa A).

Características do texto argumentativo:

  • Apresenta uma tese, que é a ideia principal que o autor defende.
  • Utiliza argumentos para defender a tese, como fatos, dados, exemplos e opiniões.
  • Tem como objetivo convencer o leitor da validade da tese.

Análise do texto:

  • Tese: O medo da criminalidade divide o Brasil em dois países.
  • Argumentos:
    • Aumento da criminalidade nas metrópoles.
    • Segregação social e econômica.
    • Falta de oportunidades para a população pobre.
    • Crescimento dos condomínios fechados e da segurança privada.
  • Objetivo: Convencer o leitor da necessidade de ações para reduzir a criminalidade e promover a justiça social.

Exemplos de elementos argumentativos no texto:

  • Fatos: "A primeira reação à estridência em torno do banditismo é o medo."
  • Dados: "Em algumas cidades a polícia se misturou com a bandidagem."
  • Exemplos: "E dos exageros ao delírio de ter medo de todos os desconhecidos."
  • Opiniões: "Não existe país viável baseado na exclusão de uma categoria de cidadãos."

Conclusão:

O texto "O medo que divide os dois Brasis" é um exemplo claro de um texto argumentativo. O autor apresenta uma tese sobre a divisão do Brasil e utiliza diversos argumentos para defendê-la. O objetivo do texto é convencer o leitor da necessidade de ações para solucionar os problemas sociais que geram essa divisão.

Observações:

  • O texto também apresenta algumas características de outros gêneros textuais, como o expositivo e o narrativo.
  • A classificação de um texto em um gênero textual específico nem sempre é rígida e pode haver elementos de diferentes gêneros em um mesmo texto.

Recursos adicionais:

Postar um comentário

0 Comentários

Postagem em destaque

Parte 3 - Ocorrência envolvendo operadores de Segurança Pública