SÉRIE MITOLOGIA | Crisipo (mitologia)

 https://pt.frwiki.wiki/wiki/Chrysippe_(mythologie)

Crisipo (mitologia)




Na mitologia gregaCrisipo (em grego antigo Χρύσιππος  / Crisipo ) é um herói divino, filho de Pélops (rei de Pisa em Elis) e da ninfa Danaïs .

Quando Laio, expulso de Tebas, se refugia na corte de Pisa, Pélope o instrui a ensinar seu filho Crisipo a dirigir uma carruagem, mas Laïos se apaixona por seu jovem aluno, sequestra-o e estupra-o; este ato pederástico está na origem da maldição de Apolo, que Pélops invocou Laio e seus descendentes.

As tradições diferem em sua morte:

  • Ou Crisipo comete suicídio por vergonha, enforcando-se ou pela espada;
  • Ou ele é morto por seus meio-irmãos Atrée e Thyeste a pedido de sua mãe, Hippodamia, que o joga em um poço;
  • ou Hipodâmia o mata e depois comete suicídio.

Referências

  1. ↑ (em) Timothy Gantz, Early Greek Myth , Baltimore: Johns Hopkins University Press, 1993





Laio e Crisipo

     Laio, para quem não se lembra, é o pai do famoso Édipo. Contudo, não acredite que os males que se somaram sobre sua família vieram apenas da predição do oráculo. Laio, na juventude, foi afastado de sua cidade natal, Tebas, por conta do assassinato e usurpação do trono de seu pai.



     Segundo a tradição, apesar do rapto de adolescentes ter sido uma prática que encontrou o apogeu em Creta, teria sido iniciada em Tebas. A lenda do rapto de Crisipo, príncipe filho do rei Pélope, por Laio, na época príncipe tebano, teria originado o costume do seqüestro aos adolescentes, que se espalharia não só por Tebas e Creta, como também por Corinto. A lenda de Laio e Crisipo teria sido a primeira a abordar o homossexualismo na mitologia grega.

     Laio era filho de Lábdaco, rei de Tebas. Quando o pai morreu, o príncipe ainda era muito jovem para reinar, tendo Lico, fiel seguidor de Lábdaco, assumido a regência, mas uma velha pendência entre o regente e os irmãos Anfião e Zeto, cuja mãe tinha sido maltratada por ele, fez com que perdesse o reino para os rivais. Com medo de ser morto pelos dois invasores, Laio fugiu para a Élida, sendo acolhido com honras pelo rei Pélope e por seu filho, o jovem Crisipo.



     Uma paixão avassaladora nasceu entre Laio e o virginal Crisipo. Às escondidas, os amantes vivem um amor intenso. Laio possui com furor o belo Crisipo, fazendo dele um homem. Quando o amor dos dois é descoberto, Laio teme a retaliação de Pélope, num ato desesperado, rapta Crisipo.

     É a única lenda que encontra uma certa oposição à homossexualidade, vinda da parte de Pélope. Talvez por Laio também ainda ser muito jovem, quase adolescente, o que não era comum na pederastia grega, já que a iniciação era privilégio dos homens mais velhos e de posição social e cívica definidas. Ou talvez por Crisipo ser, entre os três filhos de Pélope, o seu preferido.

     Diante da perseguição do pai e do escarnecimento das pessoas, Crisipo, um jovem medroso e desestruturado pela descoberta da paixão, suicida-se, deixando Laio apenas com a dor da perda e perseguido por um ressentido e vingativo rei. Ao saber da morte do filho, Pélope dispara um grito de dor que ecoa por todos os reinos, lançando uma maldição sobre todas as gerações descendentes de Lábdaco, passadas, presentes e futuras.



     Assim, Laio encerra a sua primeira paixão, nutrida pelo frágil Crisipo. Volta para Tebas, reassume o poder, casando-se com a bela Jocasta, que lhe dará um filho, Édipo, que o matará e casar-se-á com a própria mãe. Foi o preço que Laio pagou por seu amor infeliz ao príncipe Crisipo, a maldição sobre a sua cabeça.

Postar um comentário

0 Comentários

Postagem em destaque

Parte 3 - Ocorrência envolvendo operadores de Segurança Pública